Anvisa volta a trás e revoga recolhimento de anti-hipertensivo com losartana

Mais de duas semanas após determinar a interdição e o recolhimento de lotes de medicamentos contendo o princípio ativo losartana, de diversos fabricantes, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) anunciou nesta terça-feira (12) a revogação dessa decisão.

A medida havia sido tomada devido à presença da impureza azido em concentração acima do limite de segurança aceitável. No entanto, na última quinta-feira (7), a Anvisa recebeu um estudo realizado pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA, sigla em inglês) indicando que o grau de impureza do azido é menor do que o imaginado.

“As evidências demonstraram, a partir de novos testes realizados, que a impureza ‘azido’ não possui a toxicidade inicialmente identificada. Assim, com os novos dados apresentados, os limites de segurança foram recalculados, indicando que os lotes do medicamento que foram recolhidos ou interditados não ultrapassam os limites de segurança”, traz o comunicado da Anvisa.

Segundo a agência, a impureza azido é uma substância que pode surgir durante o processo de fabricação do insumo farmacêutico ativo losartana. Inicialmente, essa impureza foi considerada como de potencial mutagênico, ou seja, como possível causadora de alterações capazes de provocar danos às células humanas. No entanto, diante de estudos adicionais realizados, a impureza foi reclassificada para “não mutagênica”.

A resolução da Anvisa vai ser publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (13), confirmando a revogação da decisão anterior.

“A toxicologia, como as demais áreas do conhecimento científico, está em constante e rápido aprimoramento. Assim, a agência permanece atenta aos avanços científicos, e mantém o compromisso com a promoção e a proteção da saúde da população brasileira, sempre pautada no risco sanitário e fundamentada nos dados científicos disponíveis”, diz a nota da Anvisa, completando: “Dessa forma, reafirma-se que os medicamentos contendo losartana são seguros e que os pacientes que fazem uso desses medicamentos devem continuar utilizando-os normalmente”.

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

  

Brasil – Sem clima para aprovação, governo retira projeto do DPVAT de votação

O líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA), retirou da pauta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do

  

Cabeça do Congresso – Senador baiano é eleito relator-geral do Orçamento

O senador baiano Angelo Coronel (PSD) foi eleito na tarde desta quarta-feira (24/04) relator-geral do Orçamento de 2025. A Comissão

  

Brasil – Projeto que libera estados legislarem sobre armas avança na Câmara

A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados aprovou na tarde desta quarta-feira (24) um projeto de