Bahia – Policiais Civis anunciam paralisação geral a partir do dia 25 de março

Os policiais civis da Bahia vão parar as atividades a partir do dia 25 de março. A decisão foi tomada em Assembleia Geral Extraordinária realizada na manhã desta terça-feira (15), em frente a Secretaria de Segurança Pública, na Piedade. Os profissionais decidiram que a greve vai durar por três dias por causa da falta de diálogo do governo do Estado com a categoria. No total, 5.500 profissionais vão aderir a paralisação.

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis da Bahia (Sindpoc), Eustácio Lopes, disse que “a conta dessa greve cairá sobre o governador Rui Costa, ele terá que dizer para os baianos porque não dialogou com os policiais civis. É lamentável ver a postura tão intransigente de um gestor público, até decisão judicial o governo descumpriu, isso gerou muita revolta na categoria”.

Procurada, a assessoria de comunicação da Policia Civil reiterou a proibição de greve estabelecida pelo Supremo Tribunal Federal, em 2017, para profissionais da área de Segurança Pública e informou que as delegacias seguirão funcionando normalmente. O bahia.ba também questionou o governo do estado se haveria sanção aos policiais que aderirem a greve, no entanto, a administração disse não ter esse posicionamento ainda.

Reivindicação:

A principal reivindicação feita pelo sindicato é a reestruturação da remuneração da categoria, que pede reajuste salarial. Além disso, os policiais civis cobram melhores condições de trabalho e da estrutura física para atender à população, e regulamentação de promoções atrasadas.

De acordo com Eustácio, entre 09 estados do Nordeste a Bahia é o que paga o pior salário. “A situação do Policial Civil da Bahia não é nada confortável, passamos vergonha o tempo todo, não temos estrutura de trabalho, ganhamos salários baixíssimos, ficamos para trás dos outros estados do Nordeste e do país. Por fim, o governo oferece um reajuste de 4% é inadmissível, preciso é que o governo retome o diálogo sobre salário de nível superior, cumprindo a lei e devolvendo dignidade para a categoria ou então é greve”, disse o presidente da Sindpoc.

Segundo a Secretaria de Administração do estado (Saeb), A lei n° 11.370/2009, que instituiu a nova Lei Orgânica da Polícia Civil do Estado da Bahia, não estabeleceu a equiparação remuneratória para as diferentes carreiras e cargos que integram o Grupo Ocupacional, como investigador, escrivão e perito técnico. Além disso, segundo o órgão, “as tabelas salariais das carreiras estão atreladas aos cargos e seus valores observam a natureza da atividade, o grau de responsabilidade e de complexidade, como orienta o artigo 39 da Constituição Federal”.

Deliberações após assembleia realizada nesta terça-feira (15):

Os Policiais Civis presentes no ato votaram o seguinte cronograma:

Sexta-feira (18) – Os policiais irão entregar as chaves das custódias de presos das delegacias do Estado da Bahia, o mesmo ocorrerá com todas viaturas sem condições de uso.

Segunda – feira (21) – Entrega de coletes sem condições de uso e as pistolas Taurus24/7.

Sexta-feira a domingo (25 a 27.03) – entrega das chefias, extras e Greve geral dos Policiais Civis da Bahia, onde não ocorrerá nenhum tipo de serviço.

Além dessas deliberações também foram aprovadas a realização das blitz nas delegacias e a realização de quatro carreatas em Salvador, com data a ser definida.

Bahia.ba

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

  

35 anos de Presidente Tancredo Neves – Mensagem do vereador Tuica

Neste dia 24 de Fevereiro de 2024, a nossa cidade completa 35 anos, e hoje, nada mais justo que parabenizar

 

Bahia – Jerônimo embarca para missão internacional na Espanha e Geraldo Jr. assume governo

O governador Jerônimo Rodrigues (PT) embarca, neste sábado (24), em mais uma missão internacional, desta vez, na Espanha. Em Madrid,

 

Choque, cavalaria e drone: veja como será esquema de segurança de ato de Bolsonaro na Paulista

A manifestação convocada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro para este domingo, 25, na Avenida Paulista, em São Paulo, terá policiamento reforçado,