Bancada evangélica obriga Otto Filho a se retratar por ter chamado Jesus Cristo de ‘socialista’

A bancada evangélica na Câmara obrigou o deputado federal Otto Alencar Filho (PSD) a se retratar após ter chamado Jesus Cristo de “socialista” em um grupo de WhatsApp da Frente Parlamentar.

Tudo começou após uma discussão entre parlamentares sobre qual seria o posicionamento político de Cristo. Otto, então, escreveu: “Com certeza Jesus era social democrata ou socialista, pois não concordava com militares, ricos e pastores”.

A mensagem provocou uma revolta do também deputado baiano Abílio Santana (PL), que condenou o colega por tal manifestação. No entanto, após interferência de evangélicos, o pastor apareceu em um vídeo obtido por este Política Livre se desculpando.

Segundo o próprio Abílio, tudo não passou de uma “brincadeira” de Otto Filho. “Alguém pegou a fala do querido deputado Otto e postou no grupo. Eu me senti extremamente ofendido, não sabia que era uma brincadeira e saí compartilhando. Eu não tenho problema nenhum em reconhecer o meu erro”.

Além de Abílio e Otto, o vídeo também contou com a presença do deputado Cezinha de Madureira (PSD), líder da bancada evangélica na Câmara.

A reportagem entrou em contato com Otto Filho na manhã de hoje (1º), mas o parlamentar preferiu não comentar o assunto. “Houve um mal-entendido”, resumiu. “A questão foi resolvida”, continuou.

Política Livre

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

  

Brasil – Sem clima para aprovação, governo retira projeto do DPVAT de votação

O líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA), retirou da pauta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do

  

Cabeça do Congresso – Senador baiano é eleito relator-geral do Orçamento

O senador baiano Angelo Coronel (PSD) foi eleito na tarde desta quarta-feira (24/04) relator-geral do Orçamento de 2025. A Comissão

  

Brasil – Projeto que libera estados legislarem sobre armas avança na Câmara

A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados aprovou na tarde desta quarta-feira (24) um projeto de