Bate boca na CPI vai aos gritos de vagabundo a ladrão e picareta

A CPI da Covid voltou a registrar uma forte discussão durante sessão de depoimento, com bate-boca, ofensas, que quase terminou em agressão. Nesta quinta-feira, o relator Renan Calheiros (MDB-AL) chamou o governista Jorginho Mello (PL-SC) de “vagabundo”, que reagiu ofendendo o relator com termos como “picareta, ladrão picareta”.

A discussão começou quando Renan disse que o presidente Jair Bolsonaro negociou com empresas de pouca credibilidade, que buscavam fraudar eleições e obter vantagens.

“Por essas coisas é que aumentou a percepção de que esse governo é um governo corrupto. Porque a pessoa vem aqui e tem essa negociação aberta, conhecida em detalhes”, disse Renan.

“Eles se recusam a explicar, sem transparência nenhuma. Foi essa gente, e eu digo respeitosamente, que foi escolhida pelo presidente da República para comprar vacina, quando recusava comprar vacina da Pfizer, Butantan, OMS”, completou o relator da CPI.

Jorginho Mello abriu seu microfone e passou a defender o governo, dando início a uma discussão. Ele disse que Renan não tinha “envergadura” para criticar o presidente da República. “Vai para os quintos, então…”, disse Mello, em resposta à fala do relator de que não aceitava ser interrompido.

Renan reagiu chamando de “vagabundo” o governista, que novamente atacou o relator, afirmando que era um “ladrão picareta”. “Vai [para os quintos…] vossa excelência com o presidente, e com o Luciano Hang”, atacou Renan, em relação ao fato de que Jorginho Mello costuma defender o empresário.

“Vai lavar a boca para falar do Luciano”, rebateu o governista.

“Vai lavar a sua, vagabundo”, disse Renan.

“Vagabundo é tudo, ladrão, picareta. Ladrão e picareta, que o Brasil conhece”, disse Jorginho.

Os dois precisaram ser contidos por senadores. Renan desceu da mesa principal da comissão e partiu na direção de Mello, sendo contido por Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Tentou dar a volta para chegar ao seu adversário por outro caminho, sendo novamente contido.

A CPI da Covid ouve nesta quinta-feira o empresário e diretor da Precisa Medicamentos, Danilo Trento, sócio da Primarcial Holding e Participações Ltda. Os senadores querem questioná-lo sobre a atuação no negócio envolvendo a venda da vacina indiana Covaxin ao Ministério da Saúde e também testes para detectar a Covid-19.

Em depoimento na semana passada, o lobista Marconny Albernaz de Faria chegou a afirmar que Trento era o dono da Precisa. Por isso, os parlamentares querem saber a real ligação dele com o sócio-diretor Francisco Maximiano.

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

 

Lula estuda formar federação do PT com outros partidos da esquerda

O ex-presidente Lula tem avaliado a possibilidade de formar uma federação entre o PT e partidos de esquerda para a

 

Caso queira confirmar candidatura ao governo da Bahia, ministro João Roma deve trocar o REPUBLICANOS pelo PL

A intenção do ministro da Cidadania, João Roma, de disputar o governo da Bahia está prestes a ir por água

  

Morre Cris Barros, presidente do PSOL em Salvador

Maria Cristina dos Santos Barros, conhecida como Cris Barros, presidenta do PSOL Municipal de Salvador-Bahia e secretária de Movimentos Sociais