Brasil – Autor da desoneração diz que governo foi omisso e que veto será derrubado nesta quinta

O autor do projeto de lei da desoneração, o senador Efraim Filho (União Brasil-PB), afirmou no início da tarde desta quarta-feira (13) que o Congresso Nacional irá derrubar o veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já nesta quinta (14). Segundo ele, houve o aval do presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Sob anonimato, no entanto, parlamentares do centro e da base do governo afirmam que ainda há tentativas de negociar a votação para a próxima semana, mas todos dão como certa a queda do veto.

“Rodrigo Pacheco confirmou a pauta para amanhã, na quinta-feira. A gente espera, sim, que o veto esteja pautado amanhã”, afirmou Efraim, durante entrevista coletiva com representantes dos setores da indústria, além de parlamentares.

“O governo perdeu a condição de poder impor condições para que se possa derrubar o veto. O governo foi omisso durante dez meses de tramitação do projeto”, afirmou.

“A proposta do governo é bem-vinda para que a gente possa avaliar, mas depois de derrubado o veto”, disse.

A desoneração da folha de pagamento vale para 17 setores da economia. Entre eles está o de comunicação. Também são contemplados os segmentos de calçados, call center, confecção e vestuário, construção civil, empresas de construção e obras de infraestrutura, entre outros.

O governo Lula decidiu vetar integralmente o projeto de lei da desoneração da folha de pagamento, o que causou revolta entre parlamentares —a proposta foi aprovada por mais de 400 deputados na Câmara e simbolicamente, no Senado. Logo depois, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, prometeu que o governo enviaria uma sugestão alternativa ao projeto da desoneração, após o fim da COP, a Conferência do Clima da ONU (Organização das Nações Unidas).

Efraim reclama que o evento acabou nesta quarta, sem que houvesse nova proposta e que, por isso, a votação ocorrerá o mais breve possível. Na segunda-feira (11), Haddad afirmou que a nova proposta já contava com o aval de Lula e que deve ser apresentada até o fim desta semana.

“Já está submetida ao presidente [Lula]. O presidente aprovou a maneira como estamos conduzindo as coisas. E não tratamos ainda com os líderes sobre o assunto”, disse.

A sessão do Congresso está prevista para esta quinta, mas como há uma série de itens na pauta, não se sabe se haverá tempo hábil para concluir a pauta em um dia.

O governo, por sua vez, diante da queda iminente do veto, tenta adiar a votação para a próxima semana, como forma de ganhar tempo para negociar e preparar a proposta de Haddad.

Além da desoneração, o Congresso também tem na pauta a avaliação dos vetos de Lula ao marco temporal, Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais), marco das garantias e arcabouço fiscal.

Veja os 17 setores afetados pela desoneração:

calçados

call center

comunicação

confecção e vestuário

construção civil

couro

empresas de construção e obras de infraestrutura

fabricação de veículos e carrocerias

máquinas e equipamentos

projeto de circuitos integrados

proteína animal

têxtil

tecnologia da informação

tecnologia de comunicação

transporte metroferroviário de passageiros

transporte rodoviário coletivo

transporte rodoviário de cargas

João Gabriel/Thiago Resende/Folhapress.

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

 

Salvador – Mais de 30 pré-candidatos deixam Solidariedade e filiam-se aos partidos da base de Bruno Reis

Um grupo com mais de 30 pré-candidatos a vereador deixaram o Solidariedade, que faz parte da base do governo Jerônimo

 

Salvador –  Bruno Reis lidera intenções de votos em todos os cenários

O prefeito de Salvador, Bruno Reis (União), segue liderando as pesquisas de intenções de votos. Na mais recente, feita pela

 

Salvador – Duas outras boas notícias para Bruno Reis relativas à pesquisa AtlasIntel

Além da excelente notícia para Bruno Reis (União Brasil), faltando sete meses para o pleito, de que ele pode levar