Damares avisa Bolsonaro de desistência em disputar cadeira no Senado

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, avisou o presidente Jair Bolsonaro (PL) de que desistiu de ser candidata ao Senado pelo Amapá. Evangélica, Damares enfrenta forte oposição do senador Davi Alcolumbre (União Brasil-AP), que é candidato à reeleição e não quer vê-la como oponente.

Desde que Alcolumbre segurou por mais de quatro meses, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a sabatina do ex-ministro André Mendonça para ocupar uma vaga no Supremo Tribunal Federal, os evangélicos prometeram dar o troco na eleição no Amapá. O nome de Mendonça foi aprovado pelo Senado, em novembro, para a cadeira de ministro do Supremo, mas a atuação de Alcolumbre como presidente da CCJ nunca foi esquecida.

Agora, Damares tem enfrentado dificuldades até mesmo para encontrar um partido que a acolha. Nem o PL de Bolsonaro deixou as portas abertas para a ministra: o presidente do diretório estadual da legenda, Vinícius Gurgel, é aliado de Alcolumbre e, de acordo com aliados da ministra, tem criado empecilhos para a filiação.

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, não recebeu até hoje pedido expresso de Bolsonaro para ordenar a recepção de Damares no partido. Para sair candidata, a ministra precisa deixar a pasta e se filiar a uma sigla até 2 de abril.

Uma opção seria Damares sair candidata pelo PRTB, mas ela resiste à ideia em razão dos poucos recursos e do pouco tempo de TV do partido. A ministra também comunicou sua decisão de não entrar no páreo a colegas de Esplanada, durante festa-surpresa de aniversário de Bolsonaro, nesta segunda-feira, 21, no Palácio do Planalto.

Pelos cálculos do presidente, de oito a nove ministros devem deixar os cargos para disputar as eleições de outubro. Nesta lista está o general Braga Netto, cotado para vice na chapa de Bolsonaro. A ideia é que todos saiam do governo no próximo dia 31.

Bolsonaro quer construir uma bancada forte no Senado -onde o governo não tem maioria – para eventual segundo mandato. Ele escalou Damares para concorrer no Amapá justamente com o objetivo de enfrentar Alcolumbre. O senador irritou o governo ao segurar a sabatina de Mendonça, nome que à época foi classificado por Bolsonaro como “terrivelmente evangélico”.

Alcolumbre, no entanto, tem mostrado força política em suas articulações no Estado para barrar a ministra bolsonarista na disputa. No Planalto, o comentário é o de que quem achou que o senador estava morto, errou. O Estadão/Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) apurou que Bolsonaro ainda tentará reverter a decisão de Damares.

Bastidores do Poder

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

  

Projeto do senador Ângelo Coronel determina benefício da audiência de custódia apenas para não reincidente

O senador Angelo Coronel (PSD-BA) apresentou Projeto de Lei para mudar o Código de Processo Penal e tornar obrigatória a

 

Bahia – Prefeito de Santaluz abandona base do governo e firma apoio a ACM Neto: “não cumpriram”

O prefeito de Santaluz, Arismário Barbosa Júnior (Avante), que havia declarado publicamente apoio ao ex-secretário de Educação da Bahia e

 

Bahia – Deputado Sandro Régis desmonta factoide de Rui Costa e Bahia é campeã nacional do desemprego

O deputado Sandro Régis (UB) demoliu o factoide do governo de Rui Costa, de que “nunca na história se investiu