Em audiência com o presidente do TSE, Lídice e deputadas reforçam preocupação com maior participação das mulheres na política

A deputada federal Lídice da Mata, segunda procuradora-adjunta da Mulher, juntamente com outras representantes da bancada feminina da Câmara estiveram em audiência nesta quinta-feira (12/08) com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso. Na pauta, ações de incentivo à ampliação da participação feminina na política e também as proposições legislativas em andamento relacionadas à reforma política e eleitoral. Além da parlamentar baiana, participaram as deputadas Celina Leão (PP-DF), coordenadora da bancada feminina; Tereza Nelma (PSDB-AL), procuradora da Mulher e Benedita da Silva (PT-RJ).

As congressistas demonstraram preocupação com a garantia de manutenção da obrigatoriedade de 30% de candidaturas femininas.

Lídice da Mata lembrou que quando senadora apresentou duas consultas ao TSE, aprovadas: uma de 2018, sobre a cota do Fundo Eleitoral para candidaturas femininas, e outra de 2020, sobre reserva de gênero de 30% para mulheres nas eleições também para órgãos partidários. Sobre esta consulta aprovada pelo TSE, A socialista apresentou o Projeto de Lei 3540/2020, que teve coautoria dos deputados Rosana Valle (PSB-SP) e Vilson da Fetaemg (PSB-MG). O projeto está apensado ao PL 2436/2011, da deputada Benedita da Silva, e encontra-se aguardando votação na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara.

Lídice lembrou ainda que um dos fatores que mais dificulta a participação das mulheres na política é a falta de sustentabilidade econômica. “Precisamos lutar para não haver flexibilização de cotas e para que os 30% dos recursos não seja alterado”, disse.

Mudança mundial e equilíbrio – O ministro Barroso agradeceu a oportunidade de contato com as deputadas e informou sobre ações afirmativas e campanha contra a violência política que o TSE está desenvolvendo, com a participação da atriz Camila Pitanga, muito elogiada pelas deputadas. Ele disse acreditar que não haverá retrocesso em questões já reguladas na legislação eleitoral, como a garantia de percentuais mínimos do Fundo Especial de Financiamento Eleitoral e do Fundo Partidário destinado às candidaturas femininas. “A paridade na política aumentou e já é realidade em várias partes do mundo. Acredito que esse tema não é só uma questão de justiça, mas de equilíbrio desejado, para o bem do País”, afirmou o ministro.

Foto: ABdias Pinheiro / SECOM-TSE

Ascom PSB-Bahia

Cássia Bandeira

Jornalista – DRT: 5210/BA

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

  

Morre Cris Barros, presidente do PSOL em Salvador

Maria Cristina dos Santos Barros, conhecida como Cris Barros, presidenta do PSOL Municipal de Salvador-Bahia e secretária de Movimentos Sociais

  

Bahia – Aspra diz que alunos do curso de soldado são tratados como “escravos do tempo moderno”

Pelo menos 84 alunos do curso de formação de soldado da PMBA do município de Juazeiro estão, há quase cinco

 

Doria vence prévias do PSDB para disputar Presidência em 2022

O governador de São Paulo, João Doria, venceu, neste sábado (27), as prévias presidenciais do PSDB contra o governador do