‘Eu vou me ater à lei’, declara presidente da ALBA sobre abertura de CPI do MST

O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Adolfo Menezes (PSD), não quis fazer uma previsão sobre abertura de uma CPI na Casa para investigar as invasões de terra promovidas pelo MST na Bahia, mas afirmou que seguirá o que determina a lei. “Não posso adiantar [se a CPI será aberta] porque os nossos procuradores já estão estudando. Eu vou me ater à lei. Se eles forem pela abertura, abre. Até porque minha posição é clara; tenho externado na imprensa e externei ontem no plenário da Assembleia que sou favorável à reforma agrária”, declarou Menezes, em conversa com este Política Livre.

O pessedista, que participa de encontro com produtores rurais na Assembleia Legislativa, reafirmou não ser contrário à reforma agrária e, inclusive, afirmou que há também proprietários de terra que as usam para especulação financeira. “Não tenho nada contra a reforma agrária, pois o Brasil é um país gigantesco e seguramente há terras e há gente também do agro ou empresários que têm terras para especular, que não estão produzindo. Sou a favor da reforma agrária desde que se obedeça a todo o processo legal. Sempre externei que sou contra a barbárie; à invasão de terras produtivas eu sempre fui contra”, declarou.

Flávio Sande e Davi Lemos/Política Livre.

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

 

Salvador – Mais de 30 pré-candidatos deixam Solidariedade e filiam-se aos partidos da base de Bruno Reis

Um grupo com mais de 30 pré-candidatos a vereador deixaram o Solidariedade, que faz parte da base do governo Jerônimo

 

Salvador –  Bruno Reis lidera intenções de votos em todos os cenários

O prefeito de Salvador, Bruno Reis (União), segue liderando as pesquisas de intenções de votos. Na mais recente, feita pela

 

Salvador – Duas outras boas notícias para Bruno Reis relativas à pesquisa AtlasIntel

Além da excelente notícia para Bruno Reis (União Brasil), faltando sete meses para o pleito, de que ele pode levar