Futebol – Onda de técnicos estrangeiros no País pode parar na seleção brasileira

A onda de treinadores estrangeiros que se espalhou pelos clubes do País poderá chegar à seleção brasileira em breve. Com o sucesso recente de técnicos como Jorge Jesus, que brilhou no Flamengo em 2019, e Abel Ferreira, com cinco títulos em dez finais com o Palmeiras nos últimos dois anos, a CBF passa por uma mudança de mentalidade, o que torna possível cogitar Pep Guardiola no comando do Brasil.

Uma reportagem do diário esportivo espanhol Marca causou alvoroço no mundo do futebol nesta quinta-feira. A publicação diz que a CBF estaria negociando com o técnico Pep Guardiola, atualmente no Manchester City, para ser o próximo comandante da seleção. Segundo o jornal, a confederação brasileira já teria até mesmo uma proposta em mãos, com salário anual na casa dos 12 milhões de euros (R$ 61,7 milhões na cotação atual), abaixo dos 20 milhões de euros que ele recebe atualmente no clube inglês.

A CBF não se manifestou oficialmente sobre a reportagem do diário de Madri, mas um dirigente da alta cúpula da entidade afirmou ao Estadão que a contratação de Guardiola é algo “sem chance” de acontecer por causa do elevado salário do treinador, que seria de US$ 2 milhões por mês – cerca de R$ 9,5 milhões.

Até 2018, quando chegou ao fim a gestão de Marco Polo del Nero, técnico estrangeiro no comando da seleção brasileira era um assunto proibido na CBF. A justificativa dos cartolas era a velha máxima de que “o Brasil tem o melhor futebol do mundo e nós não precisamos aprender com ninguém.”

A história começou a mudar com a chegada de Rogério Caboclo à presidência da entidade. Primeiro, ele foi buscar a sueca Pia Sundhage para comandar a seleção feminina. Depois, foi atrás do ex-jogador Xavi para ser auxiliar de Tite na seleção principal. A ideia era prepará-lo para assumir o time no futuro, mas o espanhol, que hoje é o treinador do Barcelona, recusou a proposta da CBF.

Nova ordem:

Agora, surge o nome de Pep Guardiola para ser o treinador após a Copa. Segundo a publicação, o planejamento na busca pelo espanhol tomou forma após a chegada oficial de Ednaldo Rodrigues à presidência da CBF, ocorrida no final de março. Com a certeza de que Tite encerrará o seu ciclo após o Mundial do Catar, o técnico do City, de 51 anos, surgiu como candidato indiscutível à vaga. O contrato seria de quatro anos, até a Copa de 2026.

A estratégia para fisgar o homem que popularizou o tiki-taka para o mundo inclui, segundo a publicação espanhola, reuniões e conversas com Pere Guardiola, irmão e representante do técnico do City. Guardiola tem contrato com o clube inglês até 2023. Como a temporada europeia termina em julho e a Copa do Catar se encerra em dezembro, existe a dúvida se ele deixaria o clube nesta janela do meio do ano. A próxima abre em janeiro.

Há quase oito anos no City, Guardiola já revelou que um de seus desejos é treinar uma seleção após deixar a Inglaterra. Um outro trunfo para a CBF atrair o treinador é o fato de ele ser grande admirador do futebol brasileiro, tendo declarado anteriormente ser fã da seleção de 1982 e de outros grandes craques, como Ronaldo, Romário e Ronaldinho Gaúcho.

Caderno dos Esportes.

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

  

TSE atualiza sistema Filia após falsa filiação de Lula ao PL de Bolsonaro

O Sistema de Filiação Partidária (Filia), do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), voltou ao ar na sexta-feira, 16, com nova camada

 

Manifestação no dia 25 será o primeiro ato convocado por Bolsonaro depois do 8 de Janeiro

O ato em apoio a Jair Bolsonaro (PL) no próximo dia 25 na Avenida Paulista, em São Paulo, será a

 

Salvador – Otto Alencar reafirma que PSD não indicará vice para compor chapa de Geraldo Jr.

O presidente do PSD na Bahia, senador Otto Alencar, reafirmou nesta terça-feira (30) que seu partido não indicará nenhum nome