Jogadores da Seleção preparam manifesto sobre Copa América e querem evitar politização

Em silêncio desde o início da semana, quando o Brasil foi anunciado como sede da Copa América, os jogadores da Seleção preparam um manifesto para externar a posição do grupo a respeito da disputa do torneio em meio à pandemia de Covid-19.

Além de esclarecer informações e boatos que vêm sendo divulgados nos últimos dias, os atletas pretendem afastar a conotação política da decisão deles. Na visão dos jogadores, disputar ou não a Copa América não significa um ato de apoio ou protesto contra o presidente da República, Jair Bolsonaro, ou ao presidente da CBF, Rogério Caboclo.

Eles acompanharam posicionamentos diversos em redes sociais e perceberam avaliações polarizadas entre apoiadores da competição e quem defendia o cancelamento do torneio.

A ideia é também mostrar união entre os atletas e todo o grupo de trabalho de Tite. Apesar de os jogadores mais experientes liderarem as conversas e a abordagem ao presidente Rogério Caboclo, todos participam das discussões internas.

O texto começou a ser preparado ainda antes da partida contra o Equador, na concentração da Seleção em Porto Alegre. A data de publicação da nota ainda não foi definida, mas a tendência é que isso ocorra na terça-feira, após o duelo contra o Paraguai, em Assunção, pelas Eliminatórias.

Os jogadores da Seleção estão insatisfeitos com a forma como o presidente da CBF conduziu o tema junto ao elenco. Caboclo esteve na Granja Comary no domingo e em nenhum momento tratou da possibilidade de transferência da Copa América para o Brasil, o que se consumou na manhã do dia seguinte.

Também causou mal-estar, inclusive na comissão técnica da Seleção, o fato de nenhum dirigente ter se pronunciado publicamente sobre a transferência da competição para o País. Eles se sentiram expostos com a situação.

Desde então, as três entrevistas coletivas de jogadores que estavam previstas foram canceladas. Depois da vitória brasileira sobre o Equador, o capitão Casemiro disse que “todo mundo sabe” o posicionamento dos atletas, sem explicitar o que lhes incomodava.

 

Alguns jogadores do Brasil – liderados por Neymar – procuraram atletas de outros países para discutir um boicote à Copa América. Apesar dos problemas da competição, outros jogadores de seleções lembraram que existe compromisso em jogar, o que acarretaria consequências e prejuízos financeiros também àqueles que não são tão bem renumerados quanto às estrelas do futebol europeu.

Segundo o zagueiro Arboleda, do Equador, o tema está sendo tratado por capitães das seleções.

A seleção segue em Porto Alegre até a próxima segunda-feira, quando embarca para Assunção. A programação prevê que, depois do jogo no Paraguai, o grupo siga reunido para a disputa da Copa América. A estreia está marcada para o dia 13, no Nilton Santos, contra a Venezuela.

As informações são do G1.com

 

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

  

Bahia – deputados aprovam revisão do PPA e alteração em cargos da Polícia Civil

A Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) aprovou, em sessão extraordinária mista (presencial e virtual) desta terça-feira (30), a revisão do

 

PL filia Bolsonaro e José Carlos Araújo deve deixar presidência na Bahia

O presidente Jair Bolsonaro assinou sua filiação ao Partido Liberal (PL) nesta terça-feira (30/11), em evento ocorrido em Brasília. Na

 

Roma diz que PP, PL e Republicanos formarão tripé para reeleger Bolsonaro

O ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos), disse que “está cada vez mais claro” que PP, PL e Republicanos formarão