Lula defende aliança com Alckmin e diz que PSDB de Doria não é o de FHC

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse nesta quarta-feira (19), em entrevista a sites de esquerda que o apoiam, que espera selar uma aliança com o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (sem partido), seja com o ex-tucano ocupando o posto de vice na chapa ou não.

“Espero que o Alckmin esteja junto, sendo vice ou não sendo vice. Parece que ele se definiu em fazer oposição não apenas ao Bolsonaro, mas ao ‘dorismo’ aqui em São Paulo. É importante lembrar que o PSDB do Doria não é o PSDB social-democrata do Mario Covas, do Fernando Henrique Cardoso e do José Serra criado no período da Constituinte, no tempo do Franco Montoro”, declarou Lula, citando o governador de SP João Doria, pré-candidato à presidência pelo PSDB.

A possibilidade de aliança entre o ex-governador e o ex-presidente ganhou força após jantar entre os dois em dezembro do ano passado.

Lula voltou a dizer que não há divergência entre ele e Alckmin que impeça a aliança. “Temos divergências, por isso estamos em partidos diferentes, mas isso não impede que, se for necessário, você construa deixando as divergências num canto e as convergências em outro canto. Não terei nenhum problema em fazer chapa com Alckmin para ganhar as eleições neste país.”

Enquanto os entraves entre PSB e PT continuam sem solução, o PV já se movimenta para ser a segunda opção de nova casa para o ex-governador paulista Geraldo Alckmin, recém-saído do PSDB. Na disputa pelo Planalto, Alckmin seria o vice na chapa encabeçada por Lula.

Dirigentes do PV têm compartilhado imagens com a mensagem “Vem, Geraldo” para sensibilizar o ex-tucano a se filiar ao partido. Presidente nacional da sigla, o ex-deputado federal José Luiz Penna, porém, diz que, antes de pensar em filiação de Alckmin, é preciso buscar o acerto da federação com PT, PSB, PCdoB e PV.

“Acho que o partido tem o posicionamento de fazer uma pressão maior [pela filiação do Alckmin], mas acho que a gente deve deixar o governador decidir sem esse nível de pressão, entende? Deixar ele confortável”, diz Penna.

Lula ainda falou em aumentar a cobrança de impostos sobre os mais ricos.

“Eu acho que o sistema financeiro vai ter que aprender, quando sentar para conversar com o presidente, não ficar discutindo apenas os seus interesses. Nós precisamos discutir quem é que está preocupado com os milhões de brasileiros que estão dormindo na rua de forma vergonhosa.”

O ex-presidente disse que não vai ser eleito para resolver “problema dos empresários”.

“Eu não posso querer ser presidente da República para resolver o problema do sistema financeiro, para resolver o problema dos empresários, para resolver o problema daqueles que ficaram mais ricos na pandemia. Só tem uma razão de eu ser candidato a presidente da República: é para tentar provar que esse povo pode voltar a ser feliz.”

Bastidores do Poder

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

  

Projeto do senador Ângelo Coronel determina benefício da audiência de custódia apenas para não reincidente

O senador Angelo Coronel (PSD-BA) apresentou Projeto de Lei para mudar o Código de Processo Penal e tornar obrigatória a

 

Bahia – Prefeito de Santaluz abandona base do governo e firma apoio a ACM Neto: “não cumpriram”

O prefeito de Santaluz, Arismário Barbosa Júnior (Avante), que havia declarado publicamente apoio ao ex-secretário de Educação da Bahia e

 

Bahia – Deputado Sandro Régis desmonta factoide de Rui Costa e Bahia é campeã nacional do desemprego

O deputado Sandro Régis (UB) demoliu o factoide do governo de Rui Costa, de que “nunca na história se investiu