Medo de perder é a mensagem que PT passa ao tirar Jerônimo dos debates – Por Raul Monteiro

Com o coro que fazem contra a participação de Jerônimo Rodrigues nos debates sobre a disputa ao governo da Bahia, os líderes do seu grupo, entre os quais o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB), não passam outra mensagem, senão a de que não confiam na capacidade do candidato do PT a governador de justificar sua decisão de concorrer ao cargo e mostrar que pode se desincumbir melhor da missão do que seu adversário do União Brasil, ACM Neto. Partem ainda do pressuposto de que seu desempenho pode ser tão ruim, mas tão ruim, que pode lhe tirar votos a ponto de levá-lo à derrota no dia 30 de outubro.

Em última instância, dizem ao eleitor que estão, de fato, com medo de que Jerônimo, apesar do avassalador impulso que o apoio do presidenciável Lula representou para sua passagem ao segundo turno, não ganhe ou não tenha chegado à segunda etapa das eleições com a segurança para vencer que todo o grupo não cansa de propagar. Para o tamanho do desafio que aguarda o vencedor, é uma estratégia desrespeitosa com o próprio candidato. E tenebrosa para os baianos. Para se viabilizar como um gestor capaz de conduzir os destinos de um Estado grande e empobrecido como a Bahia, Jerônimo precisa começar vencendo a pequena ‘ameaça’.

E só conseguirá fazê-lo aceitando o duelo dos candidatos sem o filtro controlado da propaganda ou dos eventos destinados a convertidos ou ao eleitorado cativo de Lula que não se preocupa em analisar se o petista é, de fato, o mais preparado para executar a tarefa que seu partido e o grupo de forças aliadas quer colocar-lhe nos ombros. De fato, até agora, não foi possível saber o que o candidato do PT pensa sobre problemas cruciais que afetam o Estado, como a queda nos índices da educação, o descontrole da violência, o aprofundamento da pobreza e o enfraquecimento da economia privada nestes 16 anos que o PT está no poder.

Apelar para o argumento de que Neto não foi a debates é um erro e, principalmente, uma mentira. Apesar de então liderar a corrida sucessória, o candidato do União Brasil faltou a dois confrontos em emissoras sem audiência consolidada no horário, mas compareceu ao da Rede Globo, indiscutivelmente o mais importante de todos. Ainda assim, pôde comprovar que o argumento que justificou suas primeiras ausências era válido. A existência de mais quatro concorrentes reduziu a capacidade de expressão de cada um deles, que, a partir do segundo bloco, ainda fecharam um acordo para isolá-lo, cortando-lhe a chance de falar.

Agora, com um tête-à-tête, seria completamente diferente. Tendo se mostrado, em tese, como os mais fortes para disputar, num segundo momento, o governo do Estado, Jerônimo e Neto, sozinhos, têm a oportunidade de apresentar as propostas que consideram mais adequadas para combater os principais problemas enfrentados pelos baianos e mesmo apontar as inconsistências de cada qual dentro do jogo lícito aos contendores. Além disso, liberando-o para o programa, os líderes do grupo do petista mostram que ele tem personalidade própria e cacife para eventualmente governar, sendo muito mais do que a repetição do número de Lula na urna que o colocou na liderança da disputa.

Artigo do editor Raul Monteiro/Política Livre

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

 

Salvador – Mais de 30 pré-candidatos deixam Solidariedade e filiam-se aos partidos da base de Bruno Reis

Um grupo com mais de 30 pré-candidatos a vereador deixaram o Solidariedade, que faz parte da base do governo Jerônimo

 

Salvador –  Bruno Reis lidera intenções de votos em todos os cenários

O prefeito de Salvador, Bruno Reis (União), segue liderando as pesquisas de intenções de votos. Na mais recente, feita pela

 

Salvador – Duas outras boas notícias para Bruno Reis relativas à pesquisa AtlasIntel

Além da excelente notícia para Bruno Reis (União Brasil), faltando sete meses para o pleito, de que ele pode levar