PT, PCdoB e PV decidem formar federação, e PSB fica fora

Depois de cerca de quatro meses de negociações, PT, PCdoB e PV decidiram formar uma federação partidária. O PSB, que negociava até então com as siglas, optou por ficar de fora da união de partidos, pelo menos por enquanto.

A federação prevê que as siglas ficarão unidas ao longo de quatro anos em âmbito nacional, estadual e municipal. As decisões tomadas nesta quarta serão levadas aos diretórios estaduais de cada partido, que precisam chancelar a posição das cúpulas de cada sigla.

Apesar de o PSB não integrar a composição, dirigentes partidários afirmam que haverá coligação entre as legendas em torno da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Nesta semana, o ex-governador Geraldo Alckmin (sem partido) praticamente selou a migração para o PSB para ser o vice na chapa de Lula.

“As quatro agremiações, PT, PSB, PCdoB e PV, têm unidade na construção de uma frente para enfrentar Bolsonaro e reconstruir o Brasil, unidos na candidatura Lula presidente”, informaram os quatro partidos em nota. A razão para o PSB não se unir aos demais partidos foram divergências sobre a composição do órgão que comandará a federação e entraves em palanques estaduais.

O principal problema para que o PSB se aliasse aos demais foi o governo de São Paulo. O PT quer lançar Fernando Haddad (PT) e os pessebistas não abrem mão de colocar Márcio França (PSB) na disputa. Além desse, há outros imbróglios que travam o acordo entre as siglas, que também conversam com PV e PCdoB para formar a união de partidos.

Entre eles, estão a disputa aos governos do Rio Grande do Sul e do Espírito Santo, preocupações sobre o cenário nas eleições municipais em 2024. Sobre a composição do órgão que coordenará a federação, o PSB reclamava que perderia autonomia já que o PT teria hegemonia no comando das siglas.

Criado para salvar partidos pequenos, a federação pode facilitar a eleição de quadros a cargos proporcionais, como é o caso dos deputados federais. Apesar de hoje anunciarem estarem fora da federação, dirigentes das outras siglas dizem que continuarão trabalhando para atrair os pessebistas e garantem que a coligação nacional.

“Vamos continuar trabalhando por um programa em comum”, disse o presidente do PSB, Carlos Siqueira.

Apesar dos entraves, Siqueira não quis detalhar as razões que o levaram a não avançar na federação. “São partidos com culturas diferentes que não estão preparados para andar juntos nesse momento”, resumiu.

A decisão pode levar o PSB a perder deputados. Integrantes da legenda estimam que cerca de dez parlamentares deixarão a legenda. Segundo deputados pessebistas ouvidos pela reportagem , a bancada da legenda, que antes era a que mais pressionava pela viabilização da federação com o PT, “jogou a toalha”. De acordo com relatos, o momento é de fazer contas e de correr atrás para tentar formalizar chapas competitivas nos estados.

Alguns parlamentares, inclusive, estavam se mobilizando desde o final da semana passada para elaborar uma carta cobrando celeridade nas definições das tratativas com o PT. No entanto, ela acabou não saindo do papel. Uma liderança socialista diz ainda que teria que ocorrer um tsunami ou um terremoto para que a federação fosse concretizada.

Na próxima semana, um grupo de ao menos seis parlamentares do PSB devem se reunir para discutir a situação atual sem a federação e quais os próximos passos que podem ser tomados.

Julia Chaib/Victoria Azevedo/Folhapress

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

  

Brasil – Sem clima para aprovação, governo retira projeto do DPVAT de votação

O líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA), retirou da pauta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do

  

Cabeça do Congresso – Senador baiano é eleito relator-geral do Orçamento

O senador baiano Angelo Coronel (PSD) foi eleito na tarde desta quarta-feira (24/04) relator-geral do Orçamento de 2025. A Comissão

  

Brasil – Projeto que libera estados legislarem sobre armas avança na Câmara

A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados aprovou na tarde desta quarta-feira (24) um projeto de