Sem conhecimento de causa, Jerônimo Rodrigues diz que governo da Bahia paga piso de R$ 4750 a enfermeiros; categoria nega

O candidato ao governo da Bahia pelo PT, Jerônimo Rodrigues, disse nesta terça-feira (25), durante sabatina promovida pelo UOL e Folha de S. Paulo, que o Estado paga o piso de R$ 4750 por mês aos enfermeiros, 75% aos técnicos e 50% aos auxiliares na Bahia.

“A gente já cumpre isso aqui. E tudo que é lei, não tem o que opinar. O que é lei temos que cumprir. Se é lei, vamos trabalhar para cumprir, e dentro das condições fiscais do Estado, nós podemos averiguar o que a gente pode acrescentar na melhoria das condições, é uma categoria importante. A gente na Bahia cumpre o piso. Portanto, ser a favor não diz respeito. É cumprir o que está na lei”, afirmou.

Para o professor de Enfermagem e ex-presidente do Conselho Regional de Enfermagem da Bahia (Coren-BA) Jimi Medeiros criticou a declaração do candidato. “A luta pela valorização da Enfermagem não pode ser bandeira para politicagem. A categoria quer a verdade, e que esta verdade reverbere em nossos contracheques. Somos quase 3 milhões de profissionais no Brasil, e posso afirmar que na Bahia não se cumpre o Piso Salarial da Enfermagem. Tem unidades do Estado que técnicos de enfermagem recebem um pouco mais de um salário mínimo”, afirmou.

Informe Baiano

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

 

Salvador – Mais de 30 pré-candidatos deixam Solidariedade e filiam-se aos partidos da base de Bruno Reis

Um grupo com mais de 30 pré-candidatos a vereador deixaram o Solidariedade, que faz parte da base do governo Jerônimo

 

Salvador –  Bruno Reis lidera intenções de votos em todos os cenários

O prefeito de Salvador, Bruno Reis (União), segue liderando as pesquisas de intenções de votos. Na mais recente, feita pela

 

Salvador – Duas outras boas notícias para Bruno Reis relativas à pesquisa AtlasIntel

Além da excelente notícia para Bruno Reis (União Brasil), faltando sete meses para o pleito, de que ele pode levar