Valdemar Costa Neto emplaca ex-petista baiano no comando do Banco do Nordeste

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, emplacou um indicado seu como presidente interino do Banco do Nordeste. O economista José Gomes da Costa foi oficializado nesta segunda-feira, 17, no cargo, que vai acumular com a diretoria financeira do banco. O presidente Jair Bolsonaro chegou a resistir ao nome de Gomes da Costa a após descobrir que ele havia sido filiado ao PT no passado, mas acabou cedendo a forte pressão do aliado político.

Dados da Justiça Eleitoral indicam que Gomes da Costa se filiou ao PT da Bahia em fevereiro de 2003, na cidade de Lauro de Freitas. A filiação aparece como “excluída” em novembro de 2009 e “cancelada” em junho de 2019. Atualmente, ele não está em nenhum partido.

Alvo de escândalos de corrupção em governos passados, o BNB ganhou os holofotes em 2005, no governo de Luiz Inácio Lula da Silva, quando um assessor do deputado José Guimarães (PT-CE) foi pego com R$ 209 mil em espécie na mala e US$ 100 mil na cueca. Apurações do Ministério Público Federal mostraram que o dinheiro seria oriundo de propina, a partir de contratos com o banco. À época, o presidente do BNB, Roberto Smith, era indicado por Guimarães. No ano passado, a Justiça Federal arquivou o processo contra o deputado.

Em setembro, Costa Neto gravou um vídeo exigindo a demissão de Romildo Rolim, então presidente do BNB. O motivo apontado foi um contrato de R$ 583 milhões com o Instituto Nordeste Cidadania (Inec), ligado ao PT no Ceará. Desde a saída de Rolim, o banco vinha sendo comandado por Anderson Possa, que acumulava a função com a de diretor de negócios.

À reportagem apurou que Costa Neto – preso e condenado na esteira do escândalo do mensalão – quer contar com a colaboração de seu apadrinhado para afrouxar as regras de nomeação do presidente do BNB e emplacar outro nome no cargo.

O novo presidente interino do BNB é funcionário de carreira e exercia o cargo de superintendente em Salvador desde dezembro de 2017. Coordenador da bancada do Nordeste no Congresso, o deputado Júlio Cesar (PSD-PI) confirmou que a escolha de Gomes da Costa é de responsabilidade do partido de Bolsonaro. “A indicação do presidente do banco coube ao PL”, disse ele à reportagem. De acordo com Júlio César, o partido já tentou emplacar Gomes da Costa antes, mas sem sucesso. “Já indicaram e não deu certo”, lembrou.

O banco opera o Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), que tem previsão orçamentária de R$ 26,6 bilhões para este ano. Com relevância no desenvolvimento da região, o BNB sofre fortes pressões políticas e é controlado pelo PL.

Romildo Rolim, que havia chegado ao cargo em 2017, no governo Michel Temer (MDB), era apadrinhado pelo então presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE). Com a mudança de governo, Rolim buscou padrinhos em outros partidos do Centrão. Em 2020, Costa Neto já havia tentado tirar Rolim do cargo. À época, o indicado havia sido Alexandre Cabral, ex-presidente da Casa da Moeda. Cabral chegou a ser nomeado para comandar o BNB, mas ficou apenas um dia na função. Pesaram contra ele investigações abertas para apurar contratos fraudulentos na Casa da Moeda.

Procurado, o BNB confirmou a troca na presidência, mas não se manifestou sobre as movimentações políticas na diretoria.

Estadão Conteúdo

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

  

Projeto do senador Ângelo Coronel determina benefício da audiência de custódia apenas para não reincidente

O senador Angelo Coronel (PSD-BA) apresentou Projeto de Lei para mudar o Código de Processo Penal e tornar obrigatória a

 

Bahia – Prefeito de Santaluz abandona base do governo e firma apoio a ACM Neto: “não cumpriram”

O prefeito de Santaluz, Arismário Barbosa Júnior (Avante), que havia declarado publicamente apoio ao ex-secretário de Educação da Bahia e

 

Bahia – Deputado Sandro Régis desmonta factoide de Rui Costa e Bahia é campeã nacional do desemprego

O deputado Sandro Régis (UB) demoliu o factoide do governo de Rui Costa, de que “nunca na história se investiu