Santos revolta sua torcida e é rebaixado à Série B pela primeira vez na história

Os santistas que foram à Vila Belmiro e os milhares que não puderam ir viveram um pesadelo na noite desta quarta-feira. Depois de flertar com o rebaixamento em dois anos seguidos, o Santos não encontrou forças para escapar da queda e vai disputar a segunda divisão nacional pela primeira vez em sua história. A queda à Série B foi consumada com a derrota por 2 a 1 para o Fortaleza na Vila Belmiro e as vitórias de Vasco e Bahia, que estavam atrás do Santos na tabela, mas ultrapassaram a equipe paulista com seus triunfos em casa.

Em 2022 o Santos perdeu o seu ídolo máximo, Pelé, o maior jogador de todos os tempos. Em 2023, viveu seu mais profundo calvário. Como resultado, em 2024, não vai disputar a Série A nem a Copa do Brasil. Depois de uma pequena demonstração de fôlego na reta final do Brasileirão, o Santos entrou em espiral de queda ao amargar cinco partidas sem ganhar. Na Vila Belmiro, fez mais um jogo ruim. Lutou muito, é verdade, mas não há como mostrar futebol quem não tem. Talvez nem Pelé seria capaz de consertar esse inábil Santos.

Pelo terceiro ano seguido, a luta do Santos foi para não ser rebaixado no Brasileirão. Nos dois anos anteriores, flertou com a queda em boa parte da competição, ainda que não tenha chegado à última rodada com risco de cair. Terminou em décimo e 12º, respectivamente. Neste ano, o calvário se aprofundou. Foram rodadas dentro da zona da degola e outras muito próximo dela até que o pior aconteceu. A queda é resultado, sobretudo, de sucessivos erros da gestão de Andrés Rueda, que deixará a presidência em breve – a eleição para escolher um novo presidente será no próximo sábado. Rueda sairá do cargo e vai entregar o clube na segunda divisão e com as finanças ainda prejudicada e odiado pelo torcedor, que xingou o presidente antes mesmo de Vuaden apitar o fim do jogo.

“O Santos fica na Série A. Não penso o contrário. Eu não considero risco de rebaixamento. O Santos é ‘incaível'”, dissera ao Estadão Rueda neste ano. Desde o início da temporada, o clube se colocou em uma posição de lutar contra a queda. Tanto que chegou à última rodada com chance de disputar a Série B em 11,1% dos cenários e as combinações catastróficas para os santistas aconteceram.

O jogo da queda:

Incapaz de ser um conjunto competitivo, o Santos, dá pra dizer, se esforçou para ser rebaixado. Na partida derradeira, foram muitos os lances que irritaram os santistas nas arquibancadas. Nem mesmo o baleião, mascote que tentava animar a torcida, escapou da ira dos sofridos santistas. “Some daí, não serve pra nada”, gritou um zangado torcedor. A revolta dos santistas aumentava a cada lance de ataque mal-acabado. Soteldo e Marcos Leonardo eram um oásis em meio a atletas esforçados, mas com poucos recursos – ou nenhum, em alguns casos. Jean Lucas talvez tenha sido protagonista do lance que resume o calvário do Santos. De volta da Europa neste ano, o meio-campista perdeu de forma burlesca um gol na pequena área. Livre, quando foi chutar, não acertou a bola, e sim o chão.

Um ex-jogador do Santos fez a raiva dos santista subir de nível. Marinho, vaiado e xingado desde que pisou no gramado, deu o troco. A zaga esqueceu que o atacante estava sozinho no ataque e em posição legal e deixou o atleta avançar em direção a João Paulo e balançar as redes. Não bastasse a provocação dos rivais e todo o sofrimento causado pelo Santos, os torcedores tiveram de engolir uma provocação do ex-santista. Marinho ordenou que a torcida se calasse e pôs os dedos indicadores nas têmporas. Talvez atônitos, sem força para reagir, cansados de tamanho calvário, eles aquiesceram.

O Santos foi tão incompetente que a única alegria ao santista quem deu no primeiro tempo foi o Atlético-MG, quando empatou o seu jogo com o Bahia. “Nós temos que torcer para o Atlético, não tem jeito”, lamentou-se um torcedor sem camisa, descalço e zangado sentado em uma das cadeiras centrais. Ele puxava o cabelo e rezava, com seus dois terços – um no pescoço, outro no punho – ao passo que os minutos transcorriam e a tensão aumentava.

Se era ruim o cenário, tornou-se um pesadelo quando, com o primeiro tempo encerrado na Vila Belmiro, chegou a notícia de que o Bahia havia marcado o segundo gol em Salvador. Foram melhores as notícias no segundo tempo. O torcedor pôde sorrir quando Messias fez, de cabeça, o gol de empate aos 12 minutos. E, pouco depois, quando soube que o Bragantino foi às redes e empatou com o Vasco, resultado que rebaixava o time carioca e mantinha na Série A o Santos.

As informações foram positivas só no início da etapa final. Nenhum gol saiu mais na Vila Belmiro. Improdutivo, o ataque mal incomodou a zaga do Fortaleza. Para piorar, o Bahia fez o terceiro e o quarto e o Vasco, o segundo. Ambos ganharam e se livraram do rebaixamento. Quem vai disputar a segunda em 2024 é o Santos.

Caderno de Esportes.

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

 

Salvador – Mais de 30 pré-candidatos deixam Solidariedade e filiam-se aos partidos da base de Bruno Reis

Um grupo com mais de 30 pré-candidatos a vereador deixaram o Solidariedade, que faz parte da base do governo Jerônimo

 

Salvador –  Bruno Reis lidera intenções de votos em todos os cenários

O prefeito de Salvador, Bruno Reis (União), segue liderando as pesquisas de intenções de votos. Na mais recente, feita pela

 

Salvador – Duas outras boas notícias para Bruno Reis relativas à pesquisa AtlasIntel

Além da excelente notícia para Bruno Reis (União Brasil), faltando sete meses para o pleito, de que ele pode levar