Um em cada sete alunos de 13 a 17 anos dizem já ter sofrido violência sexual

Uma nova pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgada nesta sexta-feira (10) aponta que um em cada sete estudantes (ou 14,6% dos alunos) entre 13 e 17 anos já sofreram alguma forma de violência sexual.

Os dados são da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) e se referem a 2019. Segundo o estudo, o percentual de meninas que já sofreram esse tipo de agressão é mais que o dobro do que entre os meninos –20,1% para elas, 9% para eles.

Além disso, 6,3% dos alunos disseram que já foram estuprados, com as meninas novamente tendo um índice mais alto que os meninos (8,8% contra 3,6%, respectivamente).

Participaram da pesquisa 11,8 milhões de estudantes que estavam do 7º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio, sendo que 49% dos entrevistados foram meninas e 50,7%, meninos. Os jovens responderam ao questionário de forma eletrônica, sem a presença de um entrevistador.

A proporção de estudantes que afirmaram ter sofrido violência sexual é ligeiramente maior nas escolas privadas (16,3%) do que nas públicas (14,4%).

Entre quem sofreu abuso, 29% disseram que o autor foi o namorado; em 16,4% dos casos, foi um familiar; e em 6,3%, o pai, mãe ou responsável.

A pesquisa mostrou ainda que esse tipo de agressão é mais comum na região Norte, onde 17,1% dos estudantes foram vítimas desse tipo de agressão. Entre os estados, a liderança ficou com o Amapá, com 18% –número que chega a uma em cada quatro no caso das meninas. Em segundo lugar, vem o Pará, com 17,8% e, logo depois, o Amazonas, com 17,6%.

O estudo do IBGE mostrou ainda que 21% dos estudantes afirmaram ter sido fisicamente agredidos pelo pai, pela mãe ou pelo responsável pelo menos uma vez nos últimos 12 meses em relação à data da pesquisa.

Novamente, as agressões físicas são mais comuns em meninas (22%) e em alunos de escolas privadas (23,6%), enquanto o Rio de Janeiro lidera os casos entre os estados, com 27,7%. São Paulo e Mato Grosso do Sul estão empatados no segundo lugar, com 23,6%.

Já os estados com os índices mais baixos nesse quesito são Piauí (15,7), Tocantins (16,4) e Mato Grosso (16,7%).

A pesquisa mostrou também que 10,6% dos estudantes já se envolveram em brigas físicas, algo que é mais comum entre os meninos (14,6%).

Além disso, o estudo analisou ainda a percepção de segurança dos alunos no trajeto de casa para a escola. Segundo o levantamento, 11,6% dos alunos de 13 a 17 anos já deixaram de ir à escola porque se sentiram inseguros no caminho de ida ou de volta.

Nesse caso, o percentual de estudantes da rede pública que já passaram por isso (12,5%) é o dobro do número na rede privada (6,1%).

Segundo diretores de escola e responsáveis entrevistados para a pesquisa, os episódios de violência mais comuns envolvem roubos ou furtos (84,8%), venda de droga (76,0%) e agressão física (60,8%).

Na cidade do Rio lidera o ranking nesse quesito. Entre os alunos de escola pública, um em cada cinco afirmou ter faltado ao menos uma vez a escola por problemas de segurança nos últimos 30 dias. Belém aparece em segundo lugar nessa categoria (16,2), e Rio Branco vem logo depois (16,1).

Bastidores do Poder

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

  

Bahia – Governador diz que fará reunião virtual com prefeitos para tratar sobre o Carnaval

Questionado mais uma vez sobre a realização ou não do Carnaval 2022, o governador Rui Costa (PT) disse, nesta sexta-feira

 

Sandro Régis rebate Rosemberg: “Retrocesso é a Bahia ser líder em homicídio e última em educação”

O deputado estadual Sandro Régis (Democratas), líder da oposição na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), rebateu nesta sexta-feira (3) as