Vacinação é imprescindível para a retomada da economia, diz ministro

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que vacinação, capacidade de detecção de variantes, higiene e saúde pública são “imprescindíveis” para a retomada da economia global em tempos de pandemia. A afirmação foi feita hoje (13) durante seminário promovido pela Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma).

“Todos sabemos que a contenção da pandemia, por meio da vacinação em massa, da vigilância ativa para detectar rapidamente possíveis novas variantes, e das medidas de higiene e saúde pública, é imprescindível para a retomada da economia global”, disse Queiroga.

O ministro reiterou os elogios ao Sistema Único de Saúde (SUS), ressaltando sua relevância para o combate à pandemia e os reflexos das ações na economia do país, em meio a uma crise sanitária. Destacou também a contribuição e o papel estratégico do setor de saúde para a economia.

“O setor da saúde também tem importância econômica estratégica, com crescente participação na composição do valor adicionado total da economia brasileira (7,6%), na geração de renda (9,6%) e no número total de empregos (7,1%), com um crescimento no número de postos de trabalho maior que o observado para a média da economia”, argumentou.

Edição: Valéria Aguiar/Agencia Brasil

Gostou desse artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

  

Bahia – deputados aprovam revisão do PPA e alteração em cargos da Polícia Civil

A Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) aprovou, em sessão extraordinária mista (presencial e virtual) desta terça-feira (30), a revisão do

 

PL filia Bolsonaro e José Carlos Araújo deve deixar presidência na Bahia

O presidente Jair Bolsonaro assinou sua filiação ao Partido Liberal (PL) nesta terça-feira (30/11), em evento ocorrido em Brasília. Na

 

Roma diz que PP, PL e Republicanos formarão tripé para reeleger Bolsonaro

O ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos), disse que “está cada vez mais claro” que PP, PL e Republicanos formarão